Autores Livros Entrevistas Filmes Games HQ's Mangás Wattpad Sagas Seriados

6 de abril de 2015

[Resenha] Trilogia: "Peça-me o Que Quiser".

 

  Definitivamente, não tenho nada contra literatura erótica mas ultimamente os que tenho lido são péssimos (minha opinião), e a trilogia de Megan Maxwell entra nessa lista!

  A história é repetida: a mocinha que se apaixona por um milionário dono de empresa, o homem em questão que não quer compromisso mas muda quando conhece a protagonista. Ambos tem que enfrentar diversos contratempos, inclusive uma ex ciumenta, para ficarem juntos. Familiar para vocês?

   Nesse, o casal é a espanhola Judith Flores e seu chefe, o alemão Eric Zimmerman. A história se passa no eixo Espanha - Alemanha, e confesso que esse aspecto eu adorei. Estamos acostumados com o cenário Americano e quando vemos algo novo, eu tenho que aplaudir. Mas acaba aí!

  Eric é adepto de todos os tipos de sexo: voyers, troca de casais, menages, swings, sexo entre pessoas do mesmo sexo, entre outros. Eu, antiquada e careta que só, fiquei enojada com a capacidade de Eric de "oferecer" a mulher para qualquer um, apesar de que prefira jogar com o melhor amigo Björn (este, que ganhou um livro próprio sob o título de "Surpreenda-me").

  O alemão é totalmente instável sentimentalmente, mesclando momentos de carinho com momentos de pura ignorância, o que leva ao apelido tão conhecido do muso. 

Já Judith, é uma mulher independente que vira um turbilhão com os altos e baixos do Sr. Zimmerman. Em alguns momentos, em sua maioria no primeiro e no segundo livro, eu ficava embabacada com alguns posicionamentos da moça. Ela batia o pé, reclamava, brigava, e colocava a opinião dela sobre a mesa de uma maneira brilhante. Ela reclama quando é maltratada/posta para escanteio pelo rapaz, mas isso dura somente por alguns momentos, pois é só ele chegar perto que "o corpo dela clama pelo dele" e ela esquece tudo. Incrível!

  O casal é puramente sexual, que é o único lugar no qual eles concordam plenamente e imediatamente. Outra coisa cansativa é o fato deles romperem o tempo inteiro, um casal "ioiô" para ninguém por defeito. Eles terminam em média 2 vezes por livro, sério! Além da desconfiança surreal de Eric, mesmo sendo adepto dos tais "jogos". Sem esquecer que eles, durante esses momentos, só podem beijar um ao outro ("sua boca é só minha e a minha é só sua) mas sexo oral tá permitido!

  Depois de ver todo mundo comentando nos grupos literários, eu decidi dar uma oportunidade. Eu não gostei! Eu não recomendo! Recomendo tacar fogo nesse tipo de livro que menospreza tão fortemente a mulher, tornando a mesma como uma peça a ser jogada pelo companheiro quando quer e bem entende. Daí viram para mim e dizem que ela também joga. SIM! Mas no início eu me perguntei por vários momentos se ela realmente gosta ou se fazia para agradar o homem amado. E antes que me atirem pedra, eu li outros livros hot, mas esse e a trilogia trilogia Breathless, argh! MAS... para quem gosta de tais jogos sexuais, essa trilogia é para você. Pode ler sem medo e receio. Se joga que não irá se arrepender!



Sinopse Oficial: Conciliando sexo e romantismo na medida exata, a trilogia Peça-me o que quiser revela uma história de amor cheia de encontros e desencontros, na qual os jogos eróticos, o voyeurismo e o desejo de ultrapassar todos os limites do prazer são os grandes protagonistas.
Em Peça-me o que quiser, Peça-me o que quiser, agora e sempre e Peça-me o que quiser ou deixe-me, a autora espanhola Megan Maxwell conta o romance entre a secretária espanhola Judith Flores e seu chefe, o alemão Eric Zimmerman, também conhecido como Iceman: um homem muito sério e com os olhos azuis mais intensos e sexies que ela já viu.

Recém-chegado ao comando da empresa Müller, antes dirigida por seu pai, Eric tem uma atração instantânea pelo jeito divertido de Judith e exigirá que ela o acompanhe nas viagens de trabalho pela Espanha. Mesmo sabendo que está se metendo numa situação arriscada, a ideia de estar ao lado de Iceman é irresistível. Com ele, a jovem viverá experiências sexuais até então inimagináveis, em um universo de fantasias eróticas pouco convencionais.
Com tempero latino e uma abordagem excitante, os romances falam sobre desejo, paixão e erotismo. Lançada na Espanha em novembro de 2012, a trilogia Peça-me o que quiser já encantou milhares de leitores, aparecendo em todas as listas de mais vendidos.






14 comentários :

  1. Posa você foi ler bem essa trilogia chata! Rsrsrs eu só fã do gênero, mas esse eu não gosto, rsr.. Bjus

    ResponderExcluir
  2. Oi Bianca, que pena que você não gostou. Eu li no ano passado, e apesar de ter ficado de queixo caído com a ideia de troca de casais, acabei gostando do enredo, mas lembro que falei na minha resenha que as pessoas deveriam ler de mente aberta, e que eu não era evoluída o suficiente para "emprestar" meu marido... kkkkk
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  3. Oláá
    Poxa, não sei se compraria para ler ou se leria caso tivesse oportunidade pois não me atrai muito não, mas quem sabe daqui um tempo? haha

    http://realityofbooks.blogspot.com.br/
    Catharina
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Bianca, eu sempre passo longe desse tipo de livro. A começar pelo título e pela capa, extremamente clichês e apelativos, e a história nunca fica para trás: Tenta chocar com um ou outro tabu (swing, hardcore, etc), mas os personagens são rasos, a trama é péssima... Para mim esses livros são a mesma coisa que filmes pornô, com a diferença de que o filme não toma muito tempo da sua vida, e lendo um livro as pessoas posam de cult. Hahahah Eu com certeza não gostaria do livro, assim como você.
    Um abraço!
    www.literasutra.com

    ResponderExcluir
  5. Oii eu acho as capas desse livro linda e apesar da história parecer meio repetitiva,
    eu acho que os leria sim numa tarde de domingo onde estivesse afim de relaxar.
    Acho que algumas pessoas fazem um bicho de sete cabeças sobre histórias que falam sobre sexo, como se o sexo em si fosse um bicho de
    sete cabeças e não uma coisa de trivial que todo mundo faz.

    Beijos

    Conversas de Alcova ❤

    ResponderExcluir
  6. Minha prima é completamente viciada nessa série, de verdade, mas não é o meu tipo de leitura. Não sei, livros dessa temática sempre me deixaram um pouco desconfortável. Não é preconceito, mas eu tenho essa ideia de que o foto principal sempre é o erótico, mesmo quando tem um enredo legal por trás de todo o sex appeal.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Bianca, tudo bem?
    Não tive vontade de ler essa série e nem sei o motivo, gosto do gênero, mas agora lendo sua resenha percebo que fiz certo, as dicas de vcs são sempre valiosas.
    Acho que iria gostar do cenário também.
    Bjs

    A. Libri

    ResponderExcluir
  8. Olá! também não tenho costume de ler livros eróticos. Vi esta série ontem de início pensei que fosse outra coisa, mas quando me atualizei sobre o tema não comprei. Adorei suas opiniões, são fortes e decididas!

    Um abraço!
    Pensamentos Valem Ouro

    ResponderExcluir
  9. Oi Bianca.
    Esse definitivamente não é meu estilo favorito.
    Então já é difícil me agradar com essas histórias e depois dessa resenha eu não leio mesmo. Nem 50 tons de cinza me agradou. =/

    Beijos
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Bi.

    Concordo com o que vc disse e eu não consegui ler nem 50 páginas do primeiro livro, foi primeira leitura que abandonei na vida até o momento.,

    Beijão!

    ResponderExcluir
  11. Olá flor, realmente não leria esta trilogia. Simplesmente me sentiria enojada com esta situação desse relacionamento que nem se pode chamar de relacionamento. Simplesmente detesto este tipo de leitura.
    Beijos, sucesso.
    Amei a resenha rs

    ResponderExcluir
  12. Oi Bianca, tudo bem? Eu li e gostei de "Cinquenta Tons de Cinza" mas definitivamente não me animo a ler outros, pois como você disse no início parece tudo a mesma coisa. Acho que eu não suportaria os personagens desse e todos esses tipos de sexo, além desses términos que com certeza me irritariam.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  13. AMEI, AMEI, AMEI!!!
    Achei alguém que odiou esse livro como eu! Nossa, até bater boca num grupo do face já bati, porque falei que o Eric era um ignorante sem coração, e uma menina veio me chamar de mente pequena! Alooou, desde quando falar que um personagem ignorante e cretino é ignorante e cretino é ter mente pequena?
    Eu nem vou entrar no mérito dos "jogos". O que realmente me irritou foram os protagonistas. Sério que eu esperava que o tal problema que ele tinha no primeiro livro fosse transtorno bipolar, porque aí eu iria entender e perdoar. O cara é o pior protagonista que eu já vi! E eu adorei a Judith no início, por ela saber se impor, como você disse. Mas de que adianta isso se ela perdoa tudo, na hora? Caiu no meu conceito.
    Eu não consegui terminar a série. Terminei o segundo a trancos e barrancos, e só não taquei na parece porque peguei os livros na biblioteca. Se fossem meus, não sei o que faria, rs
    beijos
    meumundinhoficticio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Hey, tudo bem?

    Essa trilogia nunca teve nenhum apelo pra mim e lendo sua resenha agora fico feliz por isso. Tenho quase certeza que como você iria querer queimar esses livros após lê-los, só pela sua resenha já me irritei um pouco com os personagens porque eles parecem ser cheios de inconsistências, principalmente o tal do alemão, cara, com certeza ele me irritaria demais. É uma leitura que eu dispenso sem nenhum problema.

    Beijos,
    Dois Dedos de Prosa

    ResponderExcluir

Agradecemos por comentar! ^_^