Autores Livros Entrevistas Filmes Games HQ's Mangás Wattpad Sagas Seriados

11 de agosto de 2017

Resenha: Eu Estive Aqui - Gayle Forman.

Título: Eu Estive Aqui.
Autora: Gayle Forman.

Editora: Arqueiro.

Gênero: Literatura Estrangeira, Romance.



Páginas: 240.
Ano: 2015.
Idioma: Português.
ISBN-13: 9788580414233.
ISBN-10: 8580414237.
Skoob: aqui.

Quando sua melhor amiga, Meg, toma um frasco de veneno sozinha num quarto de motel, Cody fica chocada e arrasada. Ela e Meg compartilhavam tudo... 

Como podia não ter previsto aquilo, como não percebera nenhum sinal? 

A pedido dos pais de Meg, Cody viaja a Tacoma, onde a amiga fazia faculdade, para reunir seus pertences. Lá, acaba descobrindo muitas coisas que Meg não havia lhe contado. Conhece seus colegas de quarto, o tipo de pessoa com quem Cody nunca teria esbarrado em sua cidadezinha no fim do mundo. E conhece Ben McCallister, o guitarrista zombeteiro que se envolveu com Meg e tem os próprios segredos. 


Porém, sua maior descoberta ocorre quando recebe dos pais de Meg o notebook da melhor amiga. Vasculhando o computador, Cody dá de cara com um arquivo criptografado, impossível de abrir. Até que um colega nerd consegue desbloqueá-lo... E de repente tudo o que ela pensou que sabia sobre a morte de Meg é posto em dúvida.

Eu Estive Aqui é Gayle Forman em sua melhor forma, uma história tensa, comovente e redentora que mostra que é possível seguir em frente mesmo diante de uma perda indescritível.

"Eu Estive Aqui é a mais perfeita mescla de mistério, tragédia e romance. Gayle Forman dá ao leitor um retrato sincero da coragem necessária para continuar vivendo após uma perda devastadora. "
- Stephen Chbosky, autor de As Vantagens de Ser Invisível

 

Confesso que sou apaixonada pela escrita da Gayle desde que li Se Eu Ficar e Para Onde Ela Foi, sendo assim, quando vi o lançamento desse livro, há muito tempo atrás, não remediei e o comprei mesmo sem saber do que ele se tratava e tudo mais.

Como vocês sabem, participamos da Maratona Literária de Inverno e um dos desafios era: Ler um livro que você não saiba nada sombre ele, nem a sinopse. Por isso escolhi ler esse livro que estava a muito tempo parado na minha estante.

Tenho que falar para vocês que no momento não consigo me lembrar de nenhum livro que foi tão difícil para eu ler como foi esse, vou explicar durante a resenha.

A Gayle tem como característica escrever livros que mexem com a emoção das pessoas, só que nesse a coisa foi mais intensa. Ela resolveu tratar conosco sobre a pior fraqueza humana, ou devo dizer que é o maior ato de coragem? Apesar que para mim, isso significa o maior sinal de desespero que existe. O Suicídio e as suas consequências. 

Quando li a primeira página, a minha reação, tenho que dizer, foi a pior possível. Sim, esse tema mexe comigo da pior maneira que vocês possam imaginar, mas acredito que isso não é um assunto que tem que ser exposto aqui. 

Então, voltando, quando vi sobre o que se tratava o enredo, pensei em interromper a leitura e pegar outro livro, só que também pensei que se fizesse isso, estaria me mostrando ser uma pessoa covarde que não conseguia enfrentar os próprios pesadelos, por isso me forcei a ler e tenho que dizer que me encantei.

O livro se inicia com Cody recebendo uma notícia que simplesmente fez o seu mundo ruir. Meg, sua melhor amiga, decidiu acabar com a própria vida deixando seus amigos, pais, irmão e o pior, sua melhor amiga.  

É inevitável, gente. Quando perdemos alguém que nos serve como suporte, como uma muleta, parece que um pedaço nosso parte junto com a pessoa, ainda mais quando é uma morte tão abrupta, tão sem sentido para nós, como uma pessoa acabar com a própria vida.

Cody ficou perdida e inconformada, mas o pior de tudo, se sentia culpada por não ter conseguido fazer nada para ajudar a amiga, de quem ela acreditava saber tudo, acreditava conhecer toda a sua vida. Entretanto, ao aceitar o pedido que os pais de Meg fazem para ela, Cody viaja até Tacoma, onde a amiga fazia faculdade e descobre um lado de Meg que ela jamais imaginava que existia.

Em busca de culpados, de razões e por quês, Cody acaba buscando um jeito de se eximir desse sentimento que a estava dominando por completo. 

O luto geralmente é composto por cinco fases: Negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. Como a aceitação demora para acontecer... e nesse livro a Gayle nos mostra perfeitamente cada uma dessas fases através do sofrimento de Cody.

Jesus... que livro é esse! Como chorei, como sofri...

A escrita da Gayle continua sendo formidável, impecável, simples e tocante. A história desse livro foi tão bem escrita que envolve o leitor de tal maneira que, acho que tenho a obrigação de dizer: se por um acaso você tiver algum problema que envolve a sua mente, em relação a temática, por favor, fique longe dessa obra.

Não é exagero da minha parte, a autora abordou um assunto que querendo ou não mexe conosco e não sei se é de conhecimento de todos, mas existem fóruns nos quais se debate a questão do suicídio e inclusive incentivam as pessoas a praticarem esse ato e foi justamente nesse assunto que a Gayle bateu a tecla. Sendo assim, temos e-mails em que Meg relatava que queria morrer, suas preocupações, os conselhos que recebia... Entende o por que da minha dica anterior?

Com esse livro Gayle quis nos abrir os olhos e realmente isso é muito importante, principalmente aqui no Brasil, que somos o oitavo país do mundo em incidência de suicídio. Ela quis nos mostrar que a depressão não é algo temporário, que quem apresenta essa doença, porque sim, é uma doença e não frescura como muitos pensam, necessita de um tratamento contínuo, pois quando menos esperamos se não prestarmos atenção, o pior pode acontecer.

Acredito que essa resenha está sendo uma das piores que já escrevi na vida, todavia, não consigo relatar muito sobre os personagens secundários em questão, realmente o que mais me chamou a atenção na história foi o tema principal. Entretanto, posso falar sobre Cody, que menina determinada e leal. A culpa que ela carrega e o que faz para se redimir nos toca profundamente. 

A capa do livro está impecável, a diagramação é simples, as páginas amareladas e não encontrei qualquer erro de edição ou tradução.

Apesar de todas as coisas que disse nessa resenha, recomendo sim o livro para vocês. Como disse, ele é um alerta, é um aviso do que existe no mundo e muitas pessoas insistem em fingir que não. É um livro com uma temática forte, realista, profunda e tocante. É um se liga que às vezes a morte não é a única saída. Nos mostra que se algum dia você decidir acabar com a sua vida, para você tudo termina, mas as consequências, as culpas e todo o sofrimento vai ficar por conta daqueles que ainda estão vivos e te amam mais do que tudo. 

Mas, sobre tudo, através da vida de Cody, a autora nos mostra que a vida pode não ser a melhor, que podemos sempre estar nos ferrando, batendo com a cabeça, sofrendo... e que ainda assim ninguém é infeliz para sempre. Se você se permitir viver, vai notar que os dias ruins só existem para que quando a felicidade aparecer, você saiba valorizá-la.

A vida pode não ser perfeita, mas ela é e sempre será o bem mais precioso que o ser humano tem, independente de qualquer coisa.

[Quotes]
"Sinto informar que precisei dar fim à minha própria vida. Estou adiando esta decisão há muito tempo, e ela é minha e de mais ninguém. Sei que isso lhe causará sofrimento, e lamento que seja assim, mas saiba que eu precisava acabar com a minha dor. Não tem nada a ver com você, mas tudo a ver comigo. Não é culpa sua. Meg."

“Ela era o meu sol, e então meu sol se apagou. Imagine só se o Sol se apagasse de verdade. Talvez ainda restasse vida sobre a Terra, mas você iria continuar querendo viver? Será que eu quero continuar vivendo aqui?” 

"… Mas, neste último ano, aconteceram tantas merdas na minha vida que começo a me questionar se eu tenho mesmo uma vida ou se o que eu achava que era minha vida é na verdade uma ilusão, ou talvez um delírio. Porque, para mim, isso não parece vida.” 

"Talvez a sua melhor metade, como você a chama, não passasse de uma muleta. Pode ser aterrorizante, depois de tanto tempo usando uma muleta, se ver sem ela. Talvez agora você esteja enfrentando esse processo de ajuste."

"Como você pode não saber uma coisa dessas sobre a sua melhor amiga? Mesmo que ela não lhe conte, como você pode não saber? Como pode acreditar que alguém é a pessoa mais bonita, incrível e simplesmente a criatura mais mágica que já conheceu, quando, no fim das contas, ela estava sofrendo tanto, que precisou beber um veneno que rouba o oxigênio das células até o coração não ter outra escolha senão parar de bater?" 

"É como se eu estivesse suportando a vida, em vez de me sentir feliz, realizada com ela. Não vejo o sentido. Se alguém me dissesse que eu poderia voltar atrás e desfazer meu nascimento, eu faria isso. Sinceramente." 

"Não há nada mais desejável do que se livrar de uma aflição, mas não há nada mais assustador do que perder algo que nos serve de muleta. - James Baldwin"

"A vida pode ser difícil, bonita e caótica, mas com um pouco de sorte, a sua será longa. Se for, você verá que é também imprevisível e que há momentos de escuridão. Mas eles passam, às vezes graças a muito apoio externo, e o túnel se alarga, permitindo que os raios de sol entrem. Se você estiver na escuridão, pode parecer que vai continuar nela pra sempre. Tateando às cegas. Sozinho. Mas não vai - e não está sozinho. Há muitas pessoas dispostas a ajudá-lo a voltar à luz..." 

Classificação: 

PS. Não sei se esse texto acabou sendo uma resenha ou um desabafo por problemas sérios que tive que encarar em minha vida pessoal. Por isso, peço para que, por favor, não deixem que os meus relatos tirem o brilho e o encanto da obra, pois ele existe, é incrível e vale a pena ser lido.

18 comentários :

  1. Tenho muita vontade de ler esse livro pelas críticas que falam. Está na minha lista, só ainda não tive a oportunidade.

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Oie, tudo bem? Nossa eu sempre tive muito medo de ler esse livro. Exatamente por conhecer o poder de escrita da Gayle eu sempre me poupei desse sofrimento rsrsrsrs, apesar de amar livros de drama, é preciso estar no clima para eles, e eu sinceramente ainda não me sintonfirmempara desvendar esse mistério.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Oiii!

    Eu li esse livro já tem um tempinho e gostei muito. Diferente de vc não cheguei a chorar, maaas eu fiquei muito tocada com o enredo criado por Gayle. É uma obra bem densa e envolvente! Gostei da sua resenha!

    Beijinhos,

    ResponderExcluir
  4. Que legal a história desse livro. Fiquei curiosa para ler.
    Bjus
    Jaque
    www.quebreiaregra.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi!!
    A Gayle é uma excelente escritora, ainda não li este livro. Mas gostei da resenha, a história é muito boa.
    Bjo

    ResponderExcluir
  6. Oi tudo bem?
    Li esse livro a um tempinho atrás e até agora foi meu unico contato com a Gayle mas ela é realmente um excelente escritora. Não cheguei a chorar ( talvez ficar com os olhos marejados haha) mas é um livro muito emocionante.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Eu li e chorei muito!
    Nossa, eu sofro junto pois amo essa autora!
    Desabafe sempre, faz muito bem!
    bjks

    ResponderExcluir
  8. Sou covarde em se tratando de ler livros sobre esse assunto, porque sei que ele irá me afetar. Enfim, mais sua resenha está muito boa. Parabéns.

    Nayanemartins.com

    ResponderExcluir
  9. Oii
    Tenho muita vontade de ler esse livro, já me falaram muito bem, mas também já recebi várias criticas, adoro o jeito que ele deixa as pessoas que lê, quero ler a série o mais rápido possível, adorei o seu post e seu desabafo, pode fazer isso mais vezes, é muito bacana.
    Abraços;**
    http://FebredeLivro

    ResponderExcluir
  10. A historia em si parece ser boa , fiquei bem curiosa pra ler

    ResponderExcluir
  11. Adorei a resenha. Ainda não conheço a obra, mas vou procurar conhecer. Abraços e parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  12. Que livro interessante!
    Parabéns pela resenha, mto bem detalhada, me deixou com vontade de ler também.

    ResponderExcluir
  13. Oi, Tudo bom?
    Eu nunca li o livro, apesar de já ter várias indicações dele, parece sim bem interessante, embora tenha algumas críticas.
    Beijos, Joyce de Freitas.

    ResponderExcluir
  14. Legal a historia, sou suspeita pra falar pq adoro dramas!
    Me interessei e fiquei curiosa, beijos!

    ResponderExcluir
  15. Oi May, tudo bem?

    Eu sou completamente apaixonada pela escrita da Gayle Forman, sempre a cito como uma de minhas autoras preferidas. Esse livro em especial mexeu muito comigo, pois o tema que aborda não é nada fácil. Amo esse livro e o devorei. Entendo bem o seu ponto de vista e dificuldade em falar dele!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Caramba... que resenha! Achei o tema denso e bem pesado e também não gosto de discutir suicidio por achar o tema absurdamente forte. Mas mesmo assim fiquei bem curiosa pra ler!

    ResponderExcluir
  17. Oie, tudo bem? Que resenha mais incrível. Acredito que boas resenhas são feitas justamente assim, mesclando o que achamos da obra, o que ela influenciou em nossas vidas, uma combinação entre ambos. Ainda não li nenhuma obra da autora mas sempre leio muitos elogios. Fiquei realmente curiosa. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  18. Eu não me considero uma pessoa sensível rs não perdi ninguém (ainda) que fosse tão importante pra mim, então acho que não teria grandes problemas para ler o livro. Gostei bastante da temática, adoro esses livros que a pessoa descobre segredos não revelados rs

    ResponderExcluir

Agradecemos por comentar! ^_^