Autores Livros Entrevistas Filmes Games HQ's Mangás Wattpad Sagas Seriados

24 de outubro de 2016

Livros sobre Serial Killers.


Oie gente!!!

Como estão??

Estou hoje aqui, para falar com vocês sobre um assunto meio tenso, que confesso: tenho um certo medinho... 

Vamos conferir?

O mês de outubro é de fato considerado por muitos como o mês do medo, por causa do Halloween. Aqui em São Paulo, é o mês onde tem as Noites do Terror em parques ou onde ocorrem as maratonas de filmes de terror em cinemas antigos. Aqui também ocorrem vários encontros para discutir o tema, caminhadas e vários eventos.

Por conta disso, aqui no LT não podíamos, de forma alguma, deixar passar essa oportunidade de explorar um tema que muitos de vocês podem pensar que não se enquadram no nosso estilo, mas temos aqui o Julio, a Nana e a Suellen para provar o contrário e por isso vamos fazer vários posts neste mês dedicados ao terror.

Quando eu digo terror: quero me referir a vários estilos do gênero e um deles é sobre os Assassinos em Série ou Serial Killer. 

Para quem não sabe, Serial Killer é aquele assassino que comete vários crimes em sequência (série) e costumam seguir o mesmo padrão. Essas pessoas apresentam sem a menor dúvida algum problema psiquiátrico, mas poucos são considerados insanos e por incrível que pareça, geralmente eles são pessoas que se misturam muito bem na sociedade, mas isso não é algo que seja de fato uma característica necessária.

Duas características que chamam a atenção nessas pessoas são: a frieza que eles possuem e a brutalidade nos seus atos, pois são extremamente violentos e não possuem a menor compaixão ou remorso pelos seus crimes. Alguns apresentam a sua confissão com certo orgulho, quando pegos.

Os motivos para se tornarem assim são variados:
  • Possuem a missão de "corrigir" a sociedade.
  • Foram induzidos por vozes em sua cabeça.
  • Prazer.
  • Sadomasoquismo.
  • Masoquismo.
  • Desejo e emoção.
  • Adrenalina.
  • Lucro e ganho pessoal.
  • Pela "Síndrome de Deus", para controlar a vida e a morte.

Antigamente tinham descrito um certo padrão para esses assassinos, como sendo homens, caucasianos, solitários e que possuem um problema mental. Atualmente, essa padronização meio que já caiu em desuso, pois não é certo usar o sexo e a etnia das pessoas para julgá-las uma vez que mesmo sendo em menor porcentagem, as mulheres também entram nessa classe, assim como os negros, latinos e asiáticos. 

Como disse acima, os assassinos em série também podem se misturar muito bem na sociedade e isso é um dos fatos que torna a sua descoberta bem difícil, desse modo, a questão de serem necessariamente isolados e solitários também foi tirada de questão.

A mente dessas pessoas é extremamente complexa, intensa e até assustadora, principalmente quando vemos o que elas são capazes de fazer. Muitas teorias sobre eles foram descritas, assim como vários relatos de seus fatos. São vários os assassinos que se tornaram conhecidos também e tiveram as suas biografias publicadas na literatura.

Esse tipo de livro atrai vários fãs e curiosos do gênero, mas tenho que confessar para vocês que esse tipo de livro me causa um certo pânico, porque são coisas que de fato aconteceram, são fatos verídicos expostos e comentados. Isso é interessante, muito, na verdade, mas ao mesmo tempo, esse é o problema para mim. Não vou dizer que sou inocente e que acredito que o mundo é algo belo e colorido, que só existe a bondade no coração das pessoas... Mas adentrar a mente de um assassino e saber em detalhes o que ele fez e o porque disso é um pouco demais pra mim.

Para você que se interessa pelo gênero, tem uma curiosidade sobre esses casos e quer conhecer mais a fundo a mente sórdida desses assassinos conhecidos ou nem tanto, irei deixar neste post uma relação de livros que tratam do tema apresentando os casos que aconteceram de fato pelo mundo a fora.

Preparados?



O que faz gente aparentemente normal começar a matar e não parar mais? O que move – e o que pode deter – assassinos em série como Ed Gein, o psicopata americano que inspirou os mais célebres maníacos do cinema, como Norman Bates (Psicose, de Alfred Hitchcok), Leatherface (O Massacre da Serra Elétrica, de Tobe Hooper) e Hannibal Lecter (O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme). Como explicar a compulsão por matar e o prazer de causar dor, sem qualquer arrependimento? De onde vem tanta fúria?

As respostas estão no novo lançamento da editora DarkSide Books: Serial Killers, Anatomia do Mal, dossiê definitivo sobre o universo sombrio dos psicopatas mais perversos da história. Escrito por Harold Schechter – que pesquisa o tema há mais de três décadas e já publicou, inclusive, a biografia de Ed Gein, Deviant (1998) -, o livro é referência fundamental a todos os que se interessam pelo universo da investigação e da criminologia.

"Estudando serial killers, pesquisamos a expressão máxima da violência, tentando entender o que leva um ser humano a crueldades que beiram a ficção. Harold Schechter sou eu no espelho, dissecando casos de seu país com maestria e verdade." ILANA CASOY [Especialista em serial killers no Brasil]

Pontuado por curiosidades macabras, dados científicos e fatos pouco conhecidos sobre a trajetória dos principais criminosos em série dos Estados Unidos, Serial Killer, Anatomia do Mal abrange desde a criação do termo serial killer no início do século XX até o fascínio exercido por matadores seriais na cultura pop (cinema, música e literatura).


O livro que deu origem à nova série investigativa da Fox 

Ele construiu sua reputação escapando dos adversários. Mas dos campos de futebol americano para as rodovias de Los Angeles, muita coisa aconteceu. Agora era a polícia que corria atrás dele. O derradeiro touchdown de O.J. Simpson seria a bordo de uma caminhonete Ford Bronco, durante a primeira perseguição de carro transmitida ao vivo via satélite para todo o mundo.

Vinte anos depois, é fácil enxergar O.J. Simpson apenas como um assassino frio que escapou das mãos da Justiça. Mas é preciso entender a dimensão daquele garoto de origem humilde, que saiu de um conjunto habitacional em São Francisco para virar símbolo do sonho americano. O.J. não era um réu qualquer.

Craque recordista da NFL, a liga de futebol americano, o ídolo O.J. estava acima do bem e do mal. Seria pouco compará-lo ao goleiro Bruno, condenado pelo desaparecimento da mãe de seu filho. Simpson era o equivalente a Pelé, Messi ou Neymar em seu país.

Figura carismática, O.J. atuou em diversos filmes de sucesso, como O Inferno na Torre e Corra que a Polícia Vem Aí. Ícone da cultura pop, foi garoto-propaganda de diversas marcas populares dos EUA e por pouco não ganha de Arnold Schwarzenegger o papel de protagonista em O Exterminador do Futuro.

Tente agora imaginar a comoção que um país inteiro sentiu ao ver um herói do porte de O.J. ser acusado de um crime tão brutal: o assassinato de sua esposa, Nicole Brown, e do amigo dela, Ronald Goldman, a facadas. Em 13 de junho de 1994, tinha início um dos mais infames casos da história criminal dos Estados Unidos.

American Crime Story: O Povo Contra O. J. Simpson é o mais completo livro sobre o caso, e foi escrito por Jeffrey Toobin, repórter que cobriu o julgamento para a revista New Yorker. Mesmo partindo do princípio que Simpson era culpado, o livro apresenta informações minuciosas que ajudam a desvendar por que O.J. foi inocentado naquele grande circo que virou seu julgamento.

E que julgamento! Os autos totalizaram mais de 50 mil páginas e 1 milhão de linhas escritas. Durante 372 dias, foram ouvidas 133 testemunhas. Tudo isso está registrado em American Crime Story: O Povo Contra O. J. Simpson.


Você realmente conhece todas aquelas pessoas listadas como seus amigos? Se o velho ditado “quem vê cara não vê coração” for mesmo verdade, o que se pode dizer sobre todos aqueles avatares sorridentes que você adicionou?

A realidade, ainda que virtual, pode ser bem mais assustadora que a ficção. Enquanto um vampiro precisaria ser convidado para entrar, um psicopata on-line não vai perder a oportunidade de entrar quando encontra janelas abertas. Cuidado com o que você curte.

Social Killers - Amigos Virtuais, Assassinos Reais é um livro assustadoramente verdadeiro. Seus autores, RJ Parker e JJ Slate, reúnem alguns dos casos mais angustiantes de criminosos que usaram as redes sociais para se aproximar de suas vítimas. Stalkers, predadores sexuais, assassinos, canibais, torturadores. A lista, infelizmente, não é pequena. E novas solicitações de amizade continuam chegando a cada dia.

Parker e Slate deixam claro que esse não é um fenômeno novo. Muito antes da internet, criminosos usavam classificados de jornal para descobrir e atrair suas presas. Mas o anonimato da web permite que cada vez mais lobos usem roupas de cordeiro nas suas fotos de perfil.

Mas existe luz no fim do túnel. Analisando mais de 30 casos famosos, os autores demonstram como as forças da lei estão usando, com sucesso, as novas ferramentas de comunicação para investigar e prender foras da lei e desmantelar quadrilhas. E ainda ensinam dicas de segurança. O livro Social Killers - Amigos Virtuais, Assassinos Reais é um alerta para todos nós, que passamos tanto tempo conectados.

Com Social Killers - Amigos Virtuais, Assassinos Reais, a DarkSide® Books amplia sua coleção Crime Scene®, que já conta com os livros Serial Killers – Louco ou Cruel? e Serial Killers – Made in Brazil, de Ilana Casoy; a premiada biografia Manson, de Jeff Guinn; e o best-seller Serial Killers, Anatomia do Mal, de Harold Schechter. Histórias reais, indicadas para quem tem o espírito investigador e não se assusta facilmente.

“Tanto educativo quanto assustador [...] Verdadeiramente revelador!” – NATIONAL CRIME PREVENTION COUNCIL

“Um livro excepcional que aborda temas como criminosos na internet, a aplicação da lei e como ela alcança esses criminosos, e a segurança nas redes sociais. Este livro certamente o tornará mais atento em suas atividades on-line.” – CRIME MAGAZINE


ELE ACREDITAVA SER O ESCOLHIDO, O FILHO DO CARA, MAS SE CONTENTARIA EM SER UM SUPERSTAR. ACABOU POR SER O PORTA-VOZ DE UM PESADELO AMERICANO DO QUAL AINDA NÃO DESPERTAMOS.

“Manson não é simplesmente uma biografia de um assassino e um líder de culto. É uma história da cultura norte-americana da Grande Depressão ao final do século XX. [...] um estudo fascinante da ambição, avareza, mesquinharia, controle da mente, celebrifilia (um desejo intenso e patólogico para se relacionar com uma celebridade), sexo, narcóticos, racismo e abuso de poder. Ninguém contou a história de forma tão precisa quanto Jeff Guinn. É a história dos ex-presidentes Richard Nixon e Lyndon Johnson, de Martin Luther King, do Vietnã, do movimento ativista estudantil da nova esquerda Students for a Democratic Society, dos Panteras Negras, da cultura lisérgica e de uma nação em processo de degradação. Esta é uma viagem espetacular.” – James Lee Burke, renomado autor de livros policiais

“Impressionante. [...] O livro de Vincent Bugliosi, Helter Skelter, me levou a crer que não havia mais nada a aprender. [...] Eu estava errada. [...] [Manson] se sustenta como um trabalho definitivo: importante para estudantes de criminologia, psicopatologia e sociopatologia, além daqueles interessados no comportamento humano na cultura pop.” – Ann Rule, The New York Times Book Review

Sexo, drogas e rock ‘n’ roll. Crimes, estupros e assassinatos. Charles Manson fez de sua história a trilha sonora do fim do mundo. A metáfora favorita da América para o lado negro dá década de 1960, Manson foi o cabeludo que matou o sonho de Woodstock e o retrato perfeito de como toda aquela filosofia da geração paz e amor não funcionou.

Psicopata, vigarista, racista e cafetão. Olhos em chamas, barba por fazer, cabelos despenteados e uma suástica tatuada na testa. A diabólica imagem de Charles Manson está gravada no inconsciente popular e é reconhecidamente assustadora. Após quatro décadas dos seus terríveis atos, os assassinatos orquestrados por ele continuam a exercer um mórbido fascínio. Dezenas de livros já foram escritos sobre Manson nesses mais de quarenta anos, e agora uma meticulosa pesquisa desenvolvida pelo biógrafo Jeff Guinn surge como o guia definitivo do homem que entrou para a história como sinônimo do mal.

Manson, a Biografia consegue, contra todas as possibilidades, oferecer uma visão fresca e um complemento digno e, porque não, acima do até então melhor livro sobre o caso: Helter Skelter, de Vincent Bugliosi. Resultado de dois anos de pesquisas, o livro de Guinn oferece uma nova visão para aqueles que vivenciaram a turbulenta era de paz & amor assim como o contexto necessário para as gerações que vieram depois. Ler o livro é como vivenciar aquela época. Guinn consegue transportar o leitor para os dias de ira e caos, sexo e drogas, rock ‘n’ roll e celebridades, costurando o homem em seu ambiente, um ambiente perfeito e catastrófico, que forneceu todas as respostas que uma mente doentia como a de Manson ansiava em encontrar. O que emerge é um retrato sombrio, mas altamente convincente, de um “eterno predador social” que era “sempre o homem errado no lugar certo e na hora certa”. Prova disso é que em sua caçada desenfreada para ser tornar um superstar maior que os Beatles, Manson usou de seu discurso incendiário – que misturava caos, fanatismo religioso, cientologia e letras de músicas do Fab Four – para criar uma atmosfera magnética capaz de atrair aqueles que ele poderia usar para se tornar uma estrela. Dennis Wilson, baterista dos Beach Boys, foi um dos que caiu na armadilha.

O livro é também uma prova definitiva de que o mito da América dourada, hippie, livre e eterna enquanto durou foi apenas uma ilusão. Ilusão cujo significado dependia de quem a via: para os hippies, tranquila e orgástica; para o The Mamas & The Papas, um sonho californiano; para os Beatles, chapada como Lucy in the Sky; para os conservadores, suja e nojenta; para os estudantes protestantes, mentirosa e tirana. Ou ela poderia ser apocalíptica, sombria, e sangrenta, como a América dourada de Charles Manson.




A DarkSide® Books reabre os arquivos da maior especialista em serial killers do Brasil e publica a edição definitiva de dois best-sellers de Ilana Casoy – Serial Killers: Louco ou Cruel? e Serial Killers: Made in Brazil

Tudo para atender aos nossos exigentes leitores e para deixar a edição à altura da nossa primeira autora nacional. Ilana Casoy é autoridade no que diz respeito a mentes criminosas e resolução de crimes no Brasil.

Após o sucesso do seu primeiro livro, Serial Killers: Louco ou Cruel?, Ilana Casoy dedicou-se a uma pesquisa rigorosa para investigar os serial killers brasileiros, no que viria a ser o primeiro livro do gênero dedicado aos assassinos em série do Brasil. Foram cinco anos de pesquisas, visitas a arquivos públicos, manicômios e penitenciárias, além de entrevistas cara a cara com personificações do mal em terras tupiniquins, para compor um inquietante roteiro com rigor investigativo de como, por quê e com que métodos os serial killers brasileiros atuam.


DarkSide® Books reabre os arquivos da maior especialista em serial killers do Brasil e publica a edição definitiva de dois best-sellers de Ilana Casoy – Serial Killers: Louco ou Cruel? e Serial Killers: Made in Brazil

Tudo para atender aos nossos exigentes leitores e para deixar a edição à altura da nossa primeira autora nacional. Ilana Casoy é autoridade no que diz respeito a mentes criminosas e resolução de crimes no Brasil. Para escrever seu primeiro livro, a escritora mergulhou em arquivos da polícia e da Justiça, do FBI e da Scotland Yard, além de ter feito extensas pesquisas em livros e artigos de jornais e revistas para compor um inquietante roteiro de como, por que razão e com que métodos os serial killers agem. Perturbador e por muitas vezes comovente, o relato de Casoy, escrito depois de rigorosa pesquisa em diversas fontes, nos apresenta histórias que nem a ficção e o cinema conseguiram imaginar.

Bom gente, por hoje é isso...

Gostaram dos livros?? Já leram algum? Me contem nos comentários... irei adorar saber.



15 comentários :

  1. Que bacana a lista! Eu sou super medrosa! Não li nenhum, mas gostei da dica!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Eu sou desse povo que acha o assunto muito interessante, já pensei em fazer medicina com especilização em psiquiatria ou algum curso de criminologia só para estudar mais a fundo. Dos livro citados tenho os dois da Ilana Casoy ( que é brasileira) e o Anatomia do Mal, e são livros magnificos, os outros três estou namorando muito, especialnente o Social Killers.

    ResponderExcluir
  3. Gosto muito de ler e pesquisar casos com serial killers, ao contrario de vc, não tenho medinho... rs... é uma realidade, gente louca tem em qualquer lugar e temos de encarar isso de frente, pra depois não dizer que a cigana enganou. Saber como funcionam esses transtornos e como identificar pessoas assim é mais que curiosidade, é prevenção. Pode acontecer com qualquer pessoa, em qlqr lugar... enfim, não tem como evitar, mas se estivermos ligados deixamos de ser presa fácil...
    Gosto muito dessa publicações da Darkside e estão todas na minha lista de desejos para aquisição futuras, mas atualmente estou mais voltada aos documentários sobre o assunto, pois posso ir ouvindo enquanto trabalho.

    Raissa Nantes

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Eu já vi a maioria desses livros que você citou! Tenho vontade de ler, mas não sei como seria a minha "reação", nunca me aventurei no gênero haha' Apesar de ser um tema bem doentio, é bem interessante =D
    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Gente, altos livros sobre o assunto. Só conhecia os da Dark mesmo. E mesmo assim não tenho vontade de ler. Apesar de achar muito interessante assunto, acho que é um tipo de leitura muito pesado. Geralmente pego coisas mais leves.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bom?

    Confesso que esse gênero não é dos que eu costumo ler.Prefiro meus romances estupendos.Mas amei suas dicas e quem sabe um dia eu dê uma chance para este tipo de leitura.

    Beijos:*

    ResponderExcluir
  7. Hello! Tudo bem?
    Apesar de achar interessante, ate hoje nao li nada que envolvesse Seial Killers.
    A nao ser Dexter que eu vi o seriado.
    Nao sabia que tinha todos esses livros, achei bacana demais o seu post.
    Beijos

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  8. Oie
    nossa, quero todo, eu adoro esse tipo de assunto, me prende e sempre procuro gêneros assim, todos parecem ser muito interessante e o primeiro é o que mais quero

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. OOi!
    Ótimo post para os que gostam do gênero ou de histórias com serial Killers. O que não é meu caso! kkk Infelizmente, passo todas as dicas!

    Beijoos!

    ResponderExcluir
  10. Olá linda,

    Sempre gostei de ler sobre Serial Killers, porque qualquer pessoa pode virar um por N motivos que até hoje estão sendo escavados por diversas áreas da ciência e também porque há estudos que apontam possíveis características que podem denunciar um psicopata ou um serial killer.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Quero ler American Crime, sempre fui fascinada por histórias de psicopatas então amei suas indicações!!

    ResponderExcluir
  12. Olá, adorei o post, pois sou louca por serial killers, sempre assisto séries, documentários, programas e filmes sobre o tema, mas ainda não tinha lido nenhum livro assim, adorei a lista e pode ter certeza que irei ler todos

    ResponderExcluir
  13. Ola lindona amei a postagem, adoro esse tema pois sempre fico curiosa para saber o que se passa nessas mentes doentias. Adorei as indicações, e pretendo ler alguns deles, normalmente são leituras pesadas e com doses de realidade nuas e cruas. beijos

    Joyce
    wwww.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  14. Sou cagona e não leio nada disso, mas o Social Killers.com sempre me deixa curiosa.

    ResponderExcluir
  15. oie eu gosto muito de estudar e entender o tema e já li um dos livros da ilana casoy sobre o tema, também o social killers me interessa muito.

    ResponderExcluir

Agradecemos por comentar! ^_^