Autores Livros Entrevistas Filmes Games HQ's Mangás Wattpad Sagas Seriados

4 de julho de 2016

Resenha: Os Invernos da Ilha - Rodrigo Duarte Garcia.


Título: Os invernos da ilha.
Autor: Rodrigo Duarte Garcia.
ISBN-13: 9788501105684.
ISBN-10: 8501105686.
Ano: 2016. Páginas: 462.
Idioma: Português.
Editora: Record.
Gênero: Romance.
Adicione ao Skoob.
Compre: aqui.
Cortesia da editora para resenha.

Sinopse:
Romance de estreia do jovem autor Rodrigo Duarte Garcia tratado desde já como o Conrad brasileiro
Os invernos da ilha é um livro de aventura, como não há no Brasil, que reúne um herói atormentado (e logo apaixonado), uma ilha fria e hostil escolhida como exílio (num convento misterioso), a descoberta de um diário de piratas (e, assim, a reconstrução de uma incrível história de corsários) e a busca por um tesouro escondido. Como diz Martim Vasques da Cunha no texto de orelha: Rodrigo já pertence à categoria dos mestres. Os invernos da ilha costura Wallace Stevens, Melville, Conrad, Patrick OBrien, os filmes de Indiana Jones, Os Goonies sobrando até mesmo para o compositor Rachmaninoff , com tamanha habilidade, que o leitor ficará atônito ao perceber que, no meio disto tudo, há a alegria de narrar uma verdadeira história.

Quando me incumbiram a responsabilidade de resenhar essa obra confesso que fiquei bem empolgada. Sempre gostei de livros de aventura, com um bom mistério, um pseudo Indiana Jones de brinde e a sinopse prometia emoções, ham? Por isso, foi com ânsia que me joguei a leitura.

Logo de início, o leitor é remetido aos dramas pessoais do personagem central.

Florian, é um doutor, um homem já maduro com seus 36 anos, com um passado a ser superado. 

Diante do próprio drama, falta de perspectivas pessoais e a auto exigência do que fazer com o resto dos seus dias, ele acaba por enxergar como opção a possibilidade de tornar-se um monge beneditino.


Seguro dessa decisão, ele segue à Ilha de Sant’Anna Afuera, localizada na costa chilena, para pedir admissão ao noviciado, após um período de experiência e adaptação as regras do mosteiro.
Lá chegando, como bem entende o personagem, as "Engrenagens" da vida se movimentam transformando o caminho que ele tomava como quase certo em outras possibilidades nunca previstas por ele antes.

No mosteiro, Florian acaba por conhecer o Professor Rousseau, um francês emproado, extremamente arrogante e vaidoso, que ali estava para realizar pesquisas em documentos a muito esquecidos na biblioteca do Mosteiro da Santa Cruz, que passa a dividir suas descobertas.

Entre esses documentos está o próprio diário pessoal do corsário holandês, Olivier van Noort. Assim, ambos acabam sendo envolvidos pela leitura de suas aventuras incríveis e com a nem tão real e incrível possibilidade de encontrarem um tesouro fabuloso, ali mesmo, na ilha de Sant’Anna Afuera escondido pelo próprio Van Noort a mais de 400 anos.

No meio disso, ele se vê encantado de forma bem inconveniente pela beleza de Cecília, jovem médica residente da Ilha, que também é envolvida nas investigações sobre a possível descoberta desse tesouro.

O desenvolver do livro acontece entre a narrativa dos dias atuais e a própria história de Van Noort através de trechos extraídos do seu diário pessoal.   

"Emocionante todo esse contexto, heim?" — Sorriso cúmplice.

"Só. Que. Não." — Sorriso morrendo.

Vou explicar...

Iniciada a leitura e apresentado todo o mistério que envolvia o drama mimimi do personagem central, a história simplesmente não se desenvolvia. Foram páginas e mais páginas de dúvidas, conversas e fatos completamente desnecessários desinteressantes, que me faziam questionar a cada minuto se conseguiria finalizar a leitura.


Toda essa enrolação durou exatas 156 páginas tortuosas, onde pude constatar que, quando se trata de vergonha alheia, não existem limites para o ridículo.



Digo isso, deixando bem claro, que me refiro as trapalhadas vividas pelo personagem central. Entre, vários incidentes e algumas condutas no mínimo "estranhas" fui pegando antipatia pelo Doutor Florian Links.

Sim, mea culpa. Confesso, antipatizei mesmo, e sim, estou falando isso de coração.

Nesse ponto, não sei ao certo qual era a intenção do autor. Não sei se a intenção era fazer comédia ou se era apenas a necessidade de afirmar a cada instante a personalidade anti heroica do personagem.

Sinceramente? Não sei. Mas para mim não deu, não agradou.

Em algumas passagens me lembrei daquele filme com Ben Stiller e Robert de Niro, “Entrando numa fria”, onde o personagem a cada momento dizia coisas idiotas ou fazia coisas ainda mais ridículas, se envergonhando muito na frente da “mocinha” o tempo todo a cada minuto.

Pois é, esse é o nosso Florian.

A cada episódio vergonhoso eu literalmente gritava um “Nãoooooooooooo acredito!”. Quase desistia da leitura, mas voltava FIRME E FORTE! 





Em relação aos personagens, posso dizer que o melhor construído foi o Rousseau, que realmente era uma caricatura perfeita de um professor metido a esperto e extremamente vaidoso, com suas explicações ao gênero de Robert Langdon. Suas respostas ácidas e grosseiras me divertiam ao extremo. 

LOL    

Mas veja, essa foi a minha percepção das primeiras 156 páginas do livro.


De acordo, com meus critérios, posso te dizer que o livro se iniciou na página 157, quando enfim, acabaram-se as dúvidas e as incertezas do personagem central.


Então, as coisas melhoraram um pouco. Posso até dizer, que em alguns trechos cheguei a ficar empolgada. A partir daí temos uma história com bons elementos, com momentos positivos a serem vistos em favor do zero charme Florian, mas com vários momentos que fiquei com aquela cara de “Porque isso? Desnecessário”.

Talvez a necessidade do autor em transformar a obra em algo “diferente”, fugindo das fórmulas usuais tenha contribuído para que no final ela fosse morna e sem graça. Faltando aquele ápice que faz com que fiquemos com o coração palpitando pensando: É agora! É agora!

No final das contas, ao meu ver, o autor tinha a faca e o queijo na mão e não soube usá-los, desperdiçando a possibilidade de transformar a história no melhor livro nacional do ano.



De forma geral, não posso dizer que o livro é ruim.

A impressão que tenho é que “clichê” e “óbvio” são adjetivos que nunca poderei usar para descrevê-lo, mas também não passa disso.

 



26 comentários :

  1. Nossa, sinceridade te mandei um oi,hahahaha. Mas cara, é exatamente isso, estou no começo do livro e parei para pensar como conseguirei terminar de lê-lo, porque está tão arrastado que da dó de mim quando olho para a pilha de livros divosos me esperando na TBR desse mês. Depois de ler a sua resenha então fiquei com vontade de pular pra página 57 logo e acabar logo com esse tormento.

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Gosto de resenhas sinceras como a sua.
    Não me interessei pelo livro qdo vi entres os lançamentos, acredito que não estava errada hehe
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Vou ser honesta, tu merece parabéns, se fosse teria largado o livro no primeiro mimimi.
    Esse livro não ,serve pra mim e falo sinceramente

    ResponderExcluir
  4. caramba! adorei a sua resenha.... amei a forma humorada e a sua sinceridade me ganhou de vez!!!

    eu ganhei esse livro e passei adiante para resenhas pois não me atraiu...hehe

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Rodrigo Duarte Garcia4 de julho de 2016 23:42

    Ainda assim, obrigado pela leitura.

    ResponderExcluir
  6. Oie, tudo bem? Eu estou tão curiosa para ler esse livro! A trama me chama muito atenção e espero ter a oportunidade de conferir em breve. Que pena você não ter gostado tanto...
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oiii, tudo bem?
    Eu fiquei bastante interessada em realizar a leitura de quando vi no lançamento a obra, mas como estou vendo bastante comentários positivos ao longo do tempo estou desistindo já, fiquei chateada por ver que não gostou tanto assim. Quem sabe até leria, só por curiosidade.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Fernando Ribeiro5 de julho de 2016 11:21

    Puxa, que pena que não gostou. Levando em conta sua resenha tão sincera, acho que vou deixar essa leitura de lado. Obrigado.

    ResponderExcluir
  9. Olá
    Realmente a premissa é muito boa, mas as vezes a mão pesa um pouco o próprio Dan Brown, na minha opinião, não acertou no símbolo perdido, mas fiquei com uma pontinha de curiosidade.
    Adorei sua resenha,super divertida

    ResponderExcluir
  10. Olá,

    Já havia visto esse livro e não sabia que se passava no Brasil, realmente a premissa é muito boa e fiquei curiosa para conhecer a história.

    Grande Abraço
    oblogcaentrenos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Olá,
    Já tinha visto esse livro por ai, e tinha me interessado justamente pro essa coisa toda que você citou. Que pena que a ideia era tão bom e o autor não soube desenvolver. E não tem jeito, quando a gente pega birra do protagonista, a coisa não vai. Já aconteceu comigo algumas vezes. É uma pena, mas vou deixar passar a leitura.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  12. Wow que sinceridade, parabéns eu adoro isso nas resenhas, nunca elogio o que não gosto e pelo visto esse eu vou passar super longe. kkk
    Xoxo

    ResponderExcluir
  13. Wow que sinceridade, parabéns eu adoro isso nas resenhas, nunca elogio o que não gosto e pelo visto esse eu vou passar super longe. kkk
    Xoxo

    ResponderExcluir
  14. Oie!
    Deu para notar que foi uma leitura bem difícil, ora não gostando, ora gostando, mas não sendo conquistado. Confesso que esperava mais desse livro, e vou deixar para uma outra oportunidade. Mas não par ao momento.
    Bjs!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  15. Olá,
    Parabéns pela sinceridade, eu não consigo me interessar por esse livro - acabo julgando pela capa e por isso já achei que ia ser chato e sem graça -, para mim esse livro não serviria, estou lendo um agora que eu acho que criei expectativas demais e estou aqui tomando um banho de água fria. Adorei a sua resenha. =)

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Olá! É uma pena que não tenha gostado da história. Porque pela sinopse parecia um livro interessante e estava pensando em dar uma oportunidade para ele. Quem sabe futuramente, pois lendo sua resenha acho que deixarei para ler outro momento.

    Bjos

    ResponderExcluir
  17. E frustrante quando a história não e boa e a gente começa ler com espectativa. Da uma raiva não é mesmo? Eu já tinha lido algumas resenhas sobre o livro e naonefa muito diferente da sua linha de pensamento. Achl difícil ler esse livro mas quem sabe um dia tire mknhas conclusões.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  18. Primeiramente: Parabéns pela determinação! Se fosse eu já teria largado haha'
    E olha, fiquei com esse sorriso morrendo também. Gostei bastante da premissa, mas depois de ler sua resenha fiquei desanimado. E que resenha legal! Adorei os memes hahahah! Vou colocar o livro na lista, mesmo sabendo que tem esse início longo e arrastado, vou ver se gosto =D
    Abraço!

    ResponderExcluir
  19. Olá! Adorei a sua resenha bem humorada, inclusive com os memes! Esse tipo de história já não me agrada. Tendo um início arrastado e um final meio "morno", eu não leria. Que bom que você persistiu e que pena que o autor perdeu a oportunidade de o livro se tornar uma das melhores leituras do ano.
    Beijos!

    Karla Samira
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Olá!

    Mesmo com sua opinião, não me senti atraída pelo livro. Livros assim não me prendem, se são arrastados demais nem me dou ao trabalho de terminar, tenho muitos outros pra ler... Mas gostei da sua sinceridade, uma pena que tenha demorado 157 páginas pro livro começar de verdade.

    ResponderExcluir
  21. Oi!
    Gosto muito desse gênero mas logo de cara me senti repelida pela própria sinopse, que me pareceu parada demais. Sua resenha extremamente sincera, aliás parabéns pela sinceridade e pela resenha bem escrita, me confirmou que não seria uma leitura que eu iria gostar, infelizmente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Caramba, que tenso. É duro demais quando o livro não te prende e não te conquista. Quando não tem absolutamente nada assim de interessante, ou se tem, é uma coisa ou outra. Dureza total! Que bom que no fim o livro não foi de todo ruim rsrs.

    ResponderExcluir
  23. Complicado quando um livro não consegue ganhar a gente, não é mesmo?
    Acho que fugir do clichê é bom, mas tem que ser cativante, tem que ter um apice, tem que ganhar um leitor pois se não for assim, eu sempre irei preferir um clichê bem escrito do que qualquer outra coisa.
    Não sei se eu teria a mesma força que você - de continuar a leitura por mais de 150 páginas mesmo não me ganhando e ainda chegar ao final. Eu com certeza teria desistido. Mas, acredito que possa ser possível de outros leitores gostarem do livro - para mim, depois da sua resenha e com tantos livros na lista, eu passo...
    Beijinhos,
    Lica

    ResponderExcluir
  24. Pela sua resenha eu já tenho certeza que essa não é uma leitura pra mim. O gênero já não é dos meus favoritos e eu não tenho paciência pra personagem mimizento.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  25. Olá!
    É muito ruim quando um livro não supera as nossas expectativas. Se não gostamos do personagem principal piorou. a história não flui e tudo vai por água abaixo. Não me agradou muito o enredo do livro e acho que não leria ele.
    Adorei a sua sinceridade, a resenha está maravilhosa.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  26. Essa foi uma leitura que não me prendeu. Tentei, verdade, mas não consegui me sentir cativada pela obra. Teria sido tão melhor ter lido essa resenha antes de ter escolhido ele como o livro da vez...

    ResponderExcluir

Agradecemos por comentar! ^_^