Autores Livros Entrevistas Filmes Games HQ's Mangás Wattpad Sagas Seriados

24 de fevereiro de 2015

Resenha: True - Erin McCarthy.


Título: True.
Autora: Erin McCarthy.
Editora: Verus.
Ano: 2015.
Páginas: 258.
Idioma: Português.
Gênero: New Adult.
ISBN: 9781101623152.

Quando as colegas de quarto de Rory descobrem que a tímida e estudiosa garota nunca passou uma noite com um homem, decidem que vão ajudá-la a perder a virgindade contratando o confiante e tatuado Tyler para fazer o serviço, porém sem o conhecimento dela. Tyler sabe que não é bom o bastante para Rory. Ela é brilhante, enquanto ele está lutando para se formar na faculdade e conseguir um emprego, para, então, poder tirar seus irmãos mais novos da mãe drogada. Mas ele acaba aceitando a proposta, pelo menos como uma oportunidade de conhecer Rory melhor. Há algo nela que o intriga e o faz querer ficar por perto — mesmo sabendo que não deveria.
Divididos entre o bom senso e o desejo, os dois se veem envolvidos em uma relação apaixonada. Mas, quando a família desajustada de Tyler ameaça destruir seu futuro — assim como o dela —, Rory precisa decidir se vai cortar os laços com o perigoso mundo do namorado ou se vai seguir seu coração, não importa o preço a pagar.



Confesso que quando eu estava passeando pela livraria e me deparei com esse livro foi algo no estilo amor à primeira vista, eu me apaixonei pela capa e queria porque queria esse livro em minha estante (consumista? Quase nada), era algo no estilo necessidade que só se agravou quando eu li a sinopse, por quê?

Porque eu adoro clichês e é simplesmente impossível você pegar esse livro e não pensar em outros que tem a temática singular, por exemplo, Belo Desastre, Easy ou Paixão Sem Limites que são livros que eu adoro e tem como o tema principal: a mocinha e o bad boy.

Certo, vamos lá...

True se inicia contanto a história de Rory, uma nerd estudante de medicina que tem como melhores amigas e colegas de quarto duas meninas um tanto quanto fúteis, mas que gostam dela. Por ter tido uma infância e adolescência diferenciada, Rory com seus 20 anos de idade ainda era virgem, nunca tinha namorado. Ela até que convivia bem com esse fato, mas tinha vergonha e um medo absurdo de ficar sozinha, por isso não comentava sobre o assunto com ninguém até que por um motivo bem peculiar ela acabou soltando e as amigas decidiram ajudar a resolver o seu problema usando Tyler.


Aquela vontade patética e desesperada. O desejo por algo que você quer, mas não pode ter. A necessidade de que alguém gostasse de você”.


Um pequeno adendo que eu não podia deixar passar em branco e que meio me revoltou enquanto eu estava lendo o livro, ser virgem aos 20 anos não é vergonha para ninguém. A mulher para perder a virgindade ela tem que estar pronta não só fisicamente, mas mentalmente e emocionalmente. Então se você é virgem e sofre esse tipo de pressão, sério... não liga não porque é o seu corpo e a sua vida.

Voltando ao livro...

Depois da revelação sobre a sua virgindade Tyler se aproximou de Rory de uma forma bem repentina e confesso que eles formam um casal muito fofo. Eles passam a maior parte do tempo juntos e a cada instante eles vão se conhecendo, vendo o quanto as aparências enganam e claro, se apaixonando.


“- Sabe por que a gente se dá bem Rory?

- Por quê? – isso podia ser muito, muito interessante. Ou podia não ser nada. Eu esperei, tensa, querendo ouvir suas ideias.

- Porque nós dois vemos além do que as outras pessoas veem na gente. Nós dois sabemos que, às vezes, as melhores coisas estão debaixo da superfície. Quando eu olho para você vejo uma mulher fantasticamente inteligente, divertida, generosa e linda. Sabia disso?”


Junto com Tyler podemos conhecer a sua família. Essa é uma parte incrivelmente encantadora e problemática que é a responsável por todos os problemas que envolvem o livro e o casal de protagonistas.


“Então eu o beijei. Com força. Querendo que ele entendesse que nada disso importava. Que o que importava era o aqui e o agora, nós dois e a promessa de sermos o melhor possível, para nós mesmos e um para o outro.”


True é um livro leve, fácil e fluido para ler. A escrita da autora é de fácil entendimento e nos envolve. Ele é narrado em primeira pessoa por Rory que tem a capacidade de nos passar todos os seus anseios, medos, vergonhas, paixões e sua força.

Um ponto diferente nesse livro é que Rory é uma pessoa decidida apesar de insegura quando se trata de sua fraqueza (a virgindade), ela se mostra uma firme e decidida, pois mesmo estando totalmente envolvida por Tyler, ela não esquece as prioridades da sua vida.

Tyler por sua vez é aquele badboy que mostra que as aparências enganam, ele é um homem de personalidade forte, responsável e de princípios que faz qualquer coisa pela sua família e em momento algum se envergonha dela. Por conhecer esse lado dele eu fiquei meio revolta e inconformada, como pode ele ter aceitado a proposta das amigas de Rory? Mas como na vida, nos livros tudo tem um porquê.

Quanto ao nome, TRUE. Eu imaginava qualquer coisa ou motivo para ter esse nome o livro, mas então conforme o livro foi fluindo você percebe que qualquer razão que você imaginou estava totalmente errada e que não podia existir nome melhor para o livro.

Confesso que quando eu o peguei para ler esperava encontrar aquele clichê de sempre, um romance doce e um pouco complicado, mas me surpreendi em um ponto totalmente positivo. Não tinha lido nada a respeito sobre ele então não sabia o que esperar, talvez tenha sido essa a melhor coisa que fiz.

É um livro clichê? Sim, mas ao mesmo tempo é um livro que adota um tema polêmico, um livro que nos mostra uma lição de vida e nos faz pensar, refletir. Ele é algo que vai além do romance e apesar da temática inicial, se você quer ler esse livro em busca de algo hot, não é nele que você encontrará. 


Avaliação: 



Gostaram? Já leram?
Me deixem a opinião de vocês, e obrigada por terem lido a resenha.