22 de fevereiro de 2018

Resenha: O Beijo Traiçoeiro – Erin Beaty.

em 22 de fevereiro de 2018

11 comentários
Título: O Beijo Traiçoeiro.
Série: Traitor’s.
Livro: 01.
Autor: Erin Beaty.
ISBN-13: 9788555340499.
ISBN-10: 8555340497.
Ano: 2017. Páginas: 440.
Idioma: Português.
Editora: Seguinte.
Categoria: Fantasia, ficção, jovem adulto, romance, romance de época, literatura estrangeira.
Adicione ao Skoob.
Compre: aqui.
Cortesia / Blog em Ação / Companhia das Letras 2017.

Sinopse: Com sua língua afiada e seu temperamento rebelde, Sage Fowler está longe de ser considerada uma dama — e não dá a mínima para isso. 

Depois de ser julgada inapta para o casamento, Sage acaba se tornando aprendiz de casamenteira e logo recebe uma tarefa importante: acompanhar a comitiva de jovens damas da nobreza a caminho do Concordium, um evento na capital do reino, onde uniões entre grandes famílias são firmadas. Para formar bons pares, Sage anota em um livro tudo o que consegue descobrir sobre as garotas e seus pretendentes — inclusive os oficiais de alta patente encarregados de proteger o grupo durante essa longa jornada. 

Conforme a escolta militar percebe uma conspiração se formando, Sage é recrutada por um belo soldado para conseguir informações. Quanto mais descobre em sua espionagem, mais ela se envolve numa teia de disfarces, intrigas e identidades secretas. E, com o destino do reino em jogo, a última coisa que esperava era viver um romance de tirar o fôlego.


O início do livro me lembrou um pouco o filme Mulan, por ter uma casamenteira e a protagonista ser uma heroína em um romance – obviamente que de longe, mas fez-me recordar.

Sage Fowler cresceu com o pai no meio da floresta. Ela perdeu a mãe muito cedo e logo depois o pai, e foi assim que acabou por ser criada por seus tios. Mas ela não é um exemplo de dama, e por mais que sua vida seja boa, Sage quer partir e seu tio – digamos assim – quer se livrar dela – afinal, a partir de uma determinada idade, de algum modo, ela tem de seguir um caminho.

A partir do momento que Sage descobre que será levada a casamenteira e que terá de se portar como uma dama, tudo que ela mais odiava, para que tenha boas chances de encontrar um marido, Sage perde o controle. Contudo, por sua tia, ela tenta com todas as suas forças, mas vocês sabem como é, controlar nossos gênios não é uma tarefa fácil para ninguém...

“Moral da história: ele esperava que Sage ficasse grata. Grata por se casa com um homem que mal conhecia. Grata por seus pais, que haviam se casado por escolha própria, não estarem vivos para se opor.”

Para a infelicidade de seu tio, ela não passa nos critérios da casamenteira. Mas isso não seria ruim, já que Darnessa Rodelle tinha outros planos para Sage, e é dessa forma que a nossa mocinha torna-se aprendiz da Sra. Rodelle – a casamenteira – e parte em uma missão para escoltar outras damas para um evento e auxiliar a casamenteira na escolha de pares matrimoniais que se encaixem da melhor forma possível. O objetivo é sempre de encontrar e formar os melhores enlaces.

O que Sage não esperava era se envolver com a escolta militar como espiã, pela sua habilidade de observação. Menos ainda esperava se envolver em um romance, no qual ela jamais deveria mergulhar, e algo do que ela nunca desejou.

“Ela notou seus olhos atraídos pela boca dele, pelos três fios curtos de bigode que ele devia ter esquecido de barbear pela manhã. Umedeceu os lábios com a língua, esperando … alguma coisa.”

Inicialmente a leitura é um pouco arrastada, mas isso se deve pela necessidade da construção da personagem de Sage. Confesso que a morosidade inicial afetou um pouco a leitura – para minha pessoa – mas que não é nada que estrague o enredo, só deixa as coisas um pouco lentas.

Sage é uma mocinha a frente do seu tempo, ainda que esteja presa aos costumes de sua época por conta da sociedade, e por ser vista de um modo diferente, afinal, seus pais não se casaram por conveniência como a maioria faz, eles casaram-se por amor, e ainda que tenham sido felizes com suas escolhas, foram renegados pela sociedade. As chances de Sage são maiores no momento, caso optasse por um casamento, devido ao fato de ter sido criada – após a morte dos pais – pelos tios que são "perfeitos exemplares" do que a sociedade espera – ainda que por trás das cortinas os segredos existentes em todas as famílias sejam daquele tipo que a gente já espera nos romances de época.

“A sabedoria não vem só dos livros. Na verdade, quase não vem deles.”

Tendo tornado-se a assistente da casamenteira, no intuito da Sra. Rodelle de que Sage possa dar continuidade ao seu legado, ela precisava e tinha a obrigação de ser forte e superior, para que as outras damas, aquelas que estavam verdadeiramente em buscas dos enlaces desejados pela sociedade pudessem ser frívolas e escolhidas pelos maridos certos, os quais a Sra. Rodelle já tinha em mente, afinal, ela e a Sage realizavam muito bem – digamos assim – seus estudos de campo para que tal tarefa possa ser realizada adequadamente.

Preciso dizer que Ash Carter roubou meu coração em poucas linhas. Misterioso e com um segredo, ele nos faz querer defendê-lo de todas as formas, é um personagem muito cativante. Sage foi me conquistando aos poucos, mas ela também conseguiu seu lugar, bem como alguns outros personagens.

No entanto, não se enganem, O beijo traiçoeiro não é apenas um romance, ele vai muito além, abordando um embate e tanto, onde tudo pode acontecer, e é através de Sage e a escolha que fez para sua vida que vamos acompanhar o desenrolar dessa “guerra” entre duas nações.

“A mulher continuou falando sem parar: ela deveria ser submissa; deveria ser obediente; deveria ser graciosa; deveria sempre concordar com o marido. Deveria ser o que ele quisesse.”

O Beijo Traiçoeiro foi – para mim – uma leitura rápida, inicialmente, como mencionei um pouco morosa, mas a partir de determinado ponto a leitura passa a ter uma fluidez incrível. A autora construiu uma trama deliciosa, ela nos engana e é preciso prestar atenção aos mínimos detalhes para não se deixar levar, porque se você permitir irá se confundir, e creio que essa é a intenção da autora.

O livro é bem ambientado, mas sem exageros. Apesar de ser de época ele tem pontos totalmente fictícios – para época –, o que foi uma mistura deliciosa e uma boa pedida por parte da autora. A escrita de Erin Beaty é cativante e me prendeu a cada virar de páginas até que chegasse ao derradeiro fim – que diga-se de passagem, faz jus ao enredo sem grandes alardes e deixando o “gancho” perfeito para a sua sequencia.

“Quanto mais Sage aprendia sobre as casamenteiras e o poder que detinham, mais convencida ficava de que administravam o país por baixo dos panos.”

Confesso que estou ansiosa para ler a continuação, e desejando que seja lançado o quanto antes. Aproveitando, preciso dizer que a edição, ainda que simples, está maravilhosa, impecável. Folhas amareladas, que tanto amos, se fazem presentes. A fonte tem um tamanho super confortável para leitura. A obra conta com uma revisão excelente, não notei erros, se tem, passaram despercebidos. A editora realmente caprichou.

É um livro para quem busca um romance de época com um toque de algo a mais, muito além de apenas um romance. Uma história com uma mocinha forte, que foge a realidade da época, que nos conquista e mostra para que veio. Recomendo para quem curte o gênero e para quem quer começar a aventurar-se por ele. Vale muito a leitura!

Classificação:

11 comentários :

  1. Namoro este livro desde que a capa e o título pela primeira vez. Sou fã de romances de época, ainda mais quando trazem todo um diferencial junto.
    Mocinhas fortes, decididas e que não se permitiam abaixar a cabeça para os costumes de época.
    E a mocinha acima tem tudo isso e um pouco mais. Fiquei imaginando tendo que ficar ali caçando marido para outras moças(isso tudo é tão estranho)
    Mas pretendo ler o livro em breve!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ana

    Não gostei do livro, infelizmente. Achei não só o começo lento como o livro como um todo, nada nele me atraiu e dei duas estrelas só por conta do irmãozinho do Ash.
    Achei todos os personagens pobremente desenvolvidos e não lerei as continuações, uma pena, pois a proposta tinha me atraído.

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  3. Com sinceridade posso dizer que esse livro me chamou atenção. É um treino fictício? porque em alguns momentos parece uma sociedade oriental e em outros ocidental

    ResponderExcluir
  4. Não sou muito de ler romances de época, mas gostei de saber um pouco mais da história.. e de ver que você gostou no geral :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bom?

    Esse é um livro que me fez querer ler somente pela capa, pois eu a acho belíssima. Além disso, eu adoro romances de época e mesmo que esse tenha algumas coisas fictícias, estou animada para ler. A premissa é interessante e já fiquei imaginando quais são os segredos que eles guarda. Por outro lado, apesar de o começo ser um pouco lento (eu entendo que foi necessário para a construção da personagem), você leu rápido e acredito que eu farei uma leitura fluída também. Sinceramente, estou ansiosa para ler essa obra <3

    Enfim, adorei a resenha e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Quero muito ler esse livro, mesmo com todas as resenhas que li ressaltando que o inicio é um tanto arrastado, mas é novo para mim que ele tem uma continuação. Vou aguardar mais um pouquinho, mas quero ler.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Ana! Esse livro está na lista do desejados tem tempo! Quando li a primeira resenha já fiquei encantada pela história que a autora criou! Um reino, em eminente perigo e uma garota que não quer casas e vira casamenteira! Aí entra o exército, e o soldado especial, e temm toda aquela coisa de espionagem e segredos.. Gostei demais!
    Bjoxx

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Esse é um livro que tenho na minha lista de futuras leituras. Gosto bastante da forma com a autora criou a trama, mas parece que apresenta alguns probleminhas deixando a narrativa um pouco arrastada.
    Ainda quero conseguir ler, porém vou aguardar mais um pouco para me aventurar nessa leitura.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  9. Olá Ana!!!
    Eu já li inúmeras resenhas do livro, mas essa é a primeira que me aponta que lembrou alguns momentos do meu filme preferido da Disney "Mulan" rsrsrs
    Adorei sua resenha e o fato de você mostrar a construção da mocinha, pois realmente adoro mocinhas que quebram os padrões da sua época.
    Esse livro é um dos mais comentados e todas resenhas que já li as pessoas gostam, espero que se um dia eu lê-lo também goste tanto da história ^^
    Parabéns pela resenha!!!

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Olá Ana,
    Eu já comecei a ler esse livro e não consegui me envolver com o início dele, então, não dei continuidade. Agora percebi que muitos acharam o mesmo desse livro, sabe? Eu fiquei contente por saber que a construção da leitura te agradou e que é um livro com romance de época e algo a mais, sabe? Eu vou me arriscar em ler, sem dúvidas.
    Beijos,
    http://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderExcluir
  11. Oie, tudo bem? Passei a incluir livros de epoca nas munhas leituas faz pouco tempo. Mas li uma serie (as quatro estaçoes do amor) que me arrebatou. Me diz pq capas de livros de romance de epoca dao tao lindas hein? Eu curti a premissa, e acho que no fundo é uma grande critica ao sistema de casamentos daquela epoca. Gostei de ter outras coisas pra incrementar o romance, a questao da guerra e tal. Com certeza eu vou ler! Bjossssss

    www.porredelivros.com

    ResponderExcluir

Agradecemos por comentar! ^_^



TOPO