Autores Livros Entrevistas Filmes Games HQ's Mangás Wattpad Sagas Seriados

11 de janeiro de 2016

Resenha: Simplesmente Ana. #01.


Título: Simplesmente Ana.
Livro: 01. 
Ano: 2013.
Páginas: 304.
I.S.B.N: 9788581631554.
Idioma: Português.
Editora: Novo Conceito.
Autora: Marina Carvalho.
Adicione ao Skoob.




Sinopse:
Imagine que você descobre que seu pai é um rei. Isso mesmo, um rei de verdade em um país no sudeste da Europa. E o rei quer levá-la com ele para assumir seu verdadeiro lugar de herdeira e futura rainha...
Foi o que aconteceu com Ana. Pega de surpresa pela informação de sua origem real, Ana agora vai ter que decidir entre ficar no Brasil ou mudar-se para Krósvia e viver em um país distante tendo como companhia somente o pai, os criados e o insuportável Alex. 

Mudar-se para Krósvia pode ser tentador ¿ deve ser ótimo viver em um lugar como aquele e, quem sabe, vir a tornar-se rainha -, mas ela sabe que não pode contar com o pai o tempo todo, afinal ele é um rei bastante ocupado. E sabe também que Alex, o rapaz que é praticamente seu tutor em Krósvia, não fará nenhuma gentileza para que ela se sinta melhor naquele país estrangeiro.
A não ser... A não ser que Alex não seja esta pessoa tão irascível e que príncipes encantados existam.

Simplesmente Ana é assim: um livro divertido, capaz de nos fazer sonhar, mas que - ao mesmo tempo nos lembra das provas que temos que passar para chegar à vida adulta.

E se tudo o que você já leu ou soubesse sobre contos de fadas se tornasse real? E se de um dia para outro uma garota comum, virasse uma princesa de um país que ela nunca imaginou visitar? E se tudo que a mãe dela disse todo esse tempo sobre seu pai fosse mentira? E se fosse com você? O que você faria?

Foi assim com Ana Carina, de um dia para outro ela simplesmente recebeu uma mensagem no facebook, de alguém dizendo que era seu pai, 20 anos depois, quando ela já tinha se conformado que não tinha pai, ou que não queria conhece-lo. Mas então ele decide procura-la, mas por quê? E se Andrej (lê-se Andrei) dissesse que nunca soube de você, que sua mãe fugiu sem ao menos lhe dar explicações sobre o que estava acontecendo, que apenas terminou um namoro de faculdade?

É... Ana agora era a princesa de Krosvia e iria passar um tempo com seu pai, ia conhecer o lugar que também era dela, conhecer a sua outra parte da família e seus costumes. Mas como se comunicar se não sabe falar o krosvi? Bom, ainda bem que Ana fala inglês e assim consegue se comunicar com todos... quer dizer mais ou menos.

Mas, não muito diferente de tudo que ela já sonhou, o palácio era gigante, Irina, a assessora de seu pai, agora seria sua companhia e a apresentaria a tudo, mas só o que Ana queria era deitar em uma cama e dormir... Ela estava cansada da viajem, precisava se recompor. Mas isso não deixou que seu pai desse carta branca, em tudo, até em seu cartão de credito.

Depois de uma “orgia consumista” como Alex chama... Ah, o Alex! sabe aquele cara perfeito? Príncipe de conto de fadas? Então pode botar todos os títulos de tudo de bom, pois ele é perfeito! Ah, não... Só um defeito, quem não teria, ele não acredita que Ana seja filha de seu “padrasto”. Alex era filho da esposa de Andrej, é enteado dele e assim o ajudo no que for preciso.

Deixar tudo para trás, sua mãe, vó, amigos, tudo... é um pouco triste, mas ela pretende voltar para eles. Enquanto isso tem que atualizar Estela, sua melhor amiga, sobre tudo.

“EU (tomando folego): --Desculpa Estela. Mil vezes desculpa. Realmente não estou nos meu melhores dias, tudo por causa deste, desse... Aaaai! Nem consigo dizer o nome dele sem ficar brava! E era para eu estar no céu, já que comprei quase o shopping inteiro hoje.
ESTELA:  -- Ah, tá! A tal orgia consumista.
EU: -- Isso. Quero dizer, mais o menos.
ESTELA: -- Mas o que deu em você? Comprando feito louca, se zangando com um desconhecido...
EU: --Duas coisas: um pai muito rico e generoso mais um enteado arrogante.”
                                                                                                         
E deixar o seu amor para trás? Ou o que você pensa ser seu amor, será que isso a impediria de se apaixonar por alguém? Não, mas isso não quer dizer que Ana precise, depois de Alex falar com seu pai, para leva-la para conhecer tudo e ser autorizado, o que Ana não gostou nenhum pouco (ou gostou?!?). Ele sai contando toda a história de Krosvia. Tudo o que aconteceu e Ana foi se familiarizando com o lugar, já que agora Irina não tomaria mais conta dela, ela teria que se acostumar com o “enteado arrogante”.

Agora Ana tinha duas coisas para se preocupar:
Primeira: Ela seria apresentada para o povo de Krosvia.
Segunda: Alex tinha namorada e ela tinha nome de cachorro.
 Mas por quê se preocupar, ela não sentia nada por ele, ou sentia? Ela não queria saber, o que importava agora é que ela apareceria em público, em rede nacional e internacional. Mas como ela se sentiria bem e confiante sem as pessoas que mais ama do seu lado? E foi assim que as convidou e falou a data, por mais insistente que sua mãe fosse e não quisesse ir, Ana sabia convence-la. Tudo pronto, chegou o grande dia, mais nervosa impossível, aparecer em público era um pânico, mas sempre tinha alguém para conforta-la e porque nesse dia, tinha que ser alguém diferente, como ele?

“Senti dedos longos e ásperos procurando os meus. Eu não esperava que Alexander fosse se aninhar a meu lado, nem que tivesse intenção de segurar minha mão. Levei o maior susto, embora soubesse que era um gesto inocente, tranquilizador, sem segundas intenções.
 Deixei que ele fosse meu apoio e não senti vergonha ao me recostar nele, minha cabeça descansando confortavelmente em seu peito. Alex reagiu fazendo carinho em meus cabelos com a outra mão.
 Suspirei, mais relaxada do que deveria, vamos combinar.
 --Eu ainda não disse que você está linda. – elogiou ele, devagar. Sua voz saiu distorcida devido à nossa posição.”

Depois desse episódio, Ana só queria ficar mais longe ainda dele e da nome de cachorro. Algum tempo se passou, ela agora conhecia sua tia, seus primos e seu tio, nada como ela pensou que eles fossem rejeita-la, pelo contrário, a receberam de braços abertos. Mas isso não mudou muita coisa, agora ela estava realmente vendo algum proposito em ficar, mas será que esse proposito queria que ela ficasse?

Algum tempo sem ver Alex foi bom, mas vê-lo ali na sua frente de novo, a convidando para um show, de um cantor preferido, em seu apartamento, o que será que podia acontecer? Mas nada seria do jeito que ela pensou, pois ainda tinha a nome de cachorro e seu pai não queria ceder até Alex interver e claro Andrej cair na lábia do rapaz. Tudo pronto? Sim, vamos brincar um pouco com a namorada do Alex...

“—Pensei em dormir aqui. – Pensei, coisa nenhuma. Ou melhor, até pensei. Fantasiei, na verdade. Mas não falei sério. Mas vi o rosto de Laika perder o controle e se obscurecer com uma nuvem de indignação e continuei: -- Posso, Alexander?
  (...) – Bom...
  Cortei-o, pois tive outra ideia brilhante:
 -- Eu não trouxe roupa, mas não me importo de usar uma camisa velha, Alexander.
 -- Tudo bem, Ana, mas pensei...
 Simulei uma gargalhada, como se a piada tivesse sido hilária, para então esclarecer:
 -- Gente, estou brincando. Não tenho a menor intenção de passar a noite aqui. O Jorgensen vem me buscar quando eu ligar.
  Laika soltou o ar devagar (...)”

Mesmo assim deu para perceber o quanto Ana queria ficar, mas tudo bem sua hora iria chegar. Algum tempo se passou e Ana já era amiga da cozinheira, em um dia, ela a vê saindo para algum lugar, depois de perguntar ela diz que vai a ilha de sua bisavó para limpar o chalé onde ela viveu, Ana se entusiasma e pede para ir junto. Depois de muita briga, todos cedem a Ana.

O que ela não esperava era que uma tal pessoa apareceria por lá, para falar o que realmente sente por ela e agora será que tudo vai se ajeitar? Parece que não, eles tem uma tarde linda e com tudo que tem direito, até algo chamar a atenção de Ana...

“E então, como se tivesse lido meus pensamentos, um dos paparazzi disse, caprichando no inglês, de modo que não houve chance de eu não entender:
 -- Pronto, Alex. Tarefa cumprida. Fizemos do jeito que você combinou.”

E agora no que acreditar? Será que Ana vai deixar Alex explicar? Acho que não, ela decide voltar para o Brasil de onde nunca devia ter saído, encher a cara com Estela no réveillon e ainda esperar que depois de tudo, mesmo não tendo acreditado nele, ele ainda a perdoe, por mais que ele esteja magoado.

“(...) Portanto, vê-lo de fraque, todo lindo e irresistível, incentivando-me apenas com o olhar, fez meu coração derreter. De novo. E me mantive firme até me encontrar com meu pai sobre o altar(...)”

E agora será que ela está casando? Bom, pelo o que parece... mas isso eu não vou contar, se você acredita em contos de fadas, você vai se identificar com esse, por mais que seja diferente Ana não está procurando nada diferente de nós, o nosso "Felizes para sempre".

O livro me cativou bastante, recomendo ele para quem busca um romance leve e contemporâneo. Agora deixem-me saber:

Você acredita em contos de fadas?

Classificação: 




   

Confira as resenhas da série clicando sobre os títulos abaixo.
1. Simplesmente Ana.


3 comentários :

  1. Olá :)
    Eu amei esse livro, tenho que ler a continuação espero gostar também, acredito sim, mas apenas nos livros e nos filmes >.<
    Adorei seu blog e estou seguindo,

    Beijos,
    http://livrosentretenimento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou lendo a continuação "De repente, Ana", estou amando, já, já tem resenha aqui.
      Beijos

      Excluir
  2. Oi!
    Li esse livro e gostei muito da historia, os personagens conseguem nos conquista e achei uma historia linda, fiquei torcendo para a Ana e o Alex !!

    ResponderExcluir

Agradecemos por comentar! ^_^