30 de agosto de 2017

Resenha: O Príncipe Corvo – Elizabeth Hoyt.

em 30 de agosto de 2017

2 comentários
Título:  O Príncipe Corvo.
Série: Trilogia dos Príncipes.
Livro: 01.
Autora: Elizabeth Hoyt.
Editora: Record.
Gênero: Romance, Romance de época.
Ano: 2017. Páginas: 350.         
Idioma: Português.
ISBN-10: 8501109819.
ISBN-13: 978850110981-1.
Skoob: aqui.
Comprar: aqui.

Sinopse: Ao descobrir que o conde de Swartingham visita um bordel para atender suas “necessidades masculinas”, Anna Wren decide satisfazer seus desejos femininos... com o conde como seu amante. Chega uma hora na vida de uma dama... Anna Wren está tendo um dia difícil. Depois de quase ser atropelada por um cavaleiro arrogante, ela volta para casa e descobre que as finanças da família, que não iam bem desde a morte do marido, estão em situação difícil. Em que ela deve fazer o inimaginável... O conde de Swartingham não sabe o que fazer depois que dois secretários vão embora na calada da noite. Edward de Raaf precisa de alguém que consiga lidar com seu mau humor e comportamento rude. E encontrar um emprego. Quando Anna começa a trabalhar para o conde, parece que ambos resolveram seus problemas. Então ela descobre que ele planeja visitar o mais famoso bordel em Londres para atender às suas necessidades “masculinas”. Ora! Anna fica furiosa — e decide satisfazer seus desejos femininos com o conde como seu desavisado amante.



Olá, amigos! Prontos para mais uma resenha? Espero que sim!
Vou falar sobre a história de Anna e Edward, uma combinação de tirar o fôlego!

Anna era uma mulher forte, decidida, viúva e pobre. Morava com sua sogra e uma criada, mas estavam passando necessidade, pois seu marido não deixou muitas economias para o seu sustento.

Ela resolveu que tinha que trabalhar, apesar da sociedade em que vivia, Anna não estava dentro dos parâmetros de escolher algum tipo de trabalho. Mas, por ironia do destino, o secretário do conde de Swartinghan foi embora sem avisar.

Edward de Raaf, Conde de Swartinghan, é um homem arrogante, de comportamento rude e autoritário. Como ele estava sem secretário, Anna oferece seus serviços ao seu administrador, e como ele não tinha escolha lhe deu o trabalho, apesar de ser mulher, pois ninguém queria trabalhar naquela casa, com o conde.

Edward, no passado, perdeu toda a família – pais e irmãos – por conta da varíola. Depois de casar-se, descobriu que sua primeira esposa sentia asco por ele, pois tinha rosto e o corpo marcado pela doença, ele é um sobrevivente e carregará suas cicatrizes para sempre. Acreditando que jamais alguém apaixonar-se-ia verdadeiramente por ele, o Conde resolve ter outro casamento, um apenas por conveniência – um arranjo –  porque necessitava de um herdeiro.

Durante o trabalho, Anna descobre que o Conde tinha encontros escondidos em um bordel chamado Grotto de Aphrodite, Anna ficou muito irada, pois os homens podiam fazer esse tipo de coisa sem manchar suas reputações. No entanto, as mulheres, mesmo as viúvas, elas não tinham esse direito, afinal sua dignidade estaria em jogo.

Com a convivência, a mocinha vai percebendo seus novos sentimentos. Anna viu uma oportunidade de passar a noite com Edward, ela estava se apaixonando por ele, e por isso foi para Londres onde colocou seu plano em ação.

Edward não era indiferente a Anna, porque o amor e ódio estavam andando lado a lado, as faíscas entre os dois eram bem claras, a sedução em cada palavra e a cada olhar. O Conde estava gostando verdadeiramente de Anna, ela tinha um ar autoritário, não tinha medo de desafia-lo, a vontade de toca-la estava o deixando louco, então ele tinha que procurar outro lugar para satisfazer suas necessidades. Edward não poderia ficar com sua secretária e para piorar a situação, Anna era estéril, não poderia ter filhos e ele precisava de um herdeiro.

O Grotto de Aphrodite era uma farsa esplêndida, refletiu Anna naquela noite ao espiar pela janela da carruagem.A carruagem se aproximou dos estábulos, atrás do edifício, e parou.

Ana volta para casa, está mais apaixonada do que antes, não poderia dizer ao Conde quem era a mulher misteriosa, isso a estava deixando muito triste e de consciência pesada.

Temos muitos acontecimentos após essa noite, e as coisas se complicam. Rola chantagem e ciúmes ao longo da história. O enredo me divertiu bastante. Anna vive a frente de seu tempo, tem como sua responsabilidade sustentar a casa, pois sua sogra e a criada dependem dela. Todavia, com o fato de não gostar de receber ordens, às vezes isso a colocava em maus lençóis e a deixava mal vista aos olhos do povo. No entanto, ela não se importava com o que as pessoas falavam, ajudava a todos que precisavam, era uma mulher lutadora e determinada.

O Conde acaba descobrindo num simples gesto de Anna que ela era mulher que estava no bordel esperando-o, e é aqui, meus amigos, que a casa caiu. Edward não conseguia acreditar, parecia armação, e para piorar, ele tinha certeza de que já amava Anna.

Será que ele conseguiria perdoar essa traição? O que ele pensará dela? Como se sentirá com todo o mistério que envolve Anna e aquela noite, ela teria outras noites por lá? Bem, vou deixar para vocês descobrirem o que ele pensa, se o amor falará mais alto do que o ego e os costumes da época. Se ela será condenada ou perdoada por tê-lo enganado? Se ele a jogará as traças, a manterá como sua secretária ou se vai rolar algo mais... Descubram lendo.
  
Edward ignorou o protesto dela e caminhou de volta para a trilha. Enquanto ele a observava, Anna ergueu a mão e, com o dedo mindinho, puxou um cacho de cabelo para trás do ouvido. Ele congelou.

Tem um mistério a ser revelado, mas só no final do livro. Esse romance tem algumas cenas picantes no decorrer da história. Então, faça como eu, que ficava vermelha e com vergonha, mas não deixe de ler!

A narrativa é simples, os personagens cativantes e vale ressaltar que tem um conto paralelo a esse, até o final do livro.

O livro é narrado na terceira pessoa, intercalando as falas entre Edward e Anna, as páginas são amareladas, e a edição conta com a uma fonte de tamanho confortável para leitura. A capa é muito bonita. Recomendo para quem adora romances de época ou deseja se aventurar por um. Esse é bem humorado e a leitura é deliciosa.

Elizabeth Hoyt

Elizabeth Hoyt mora em Minneápolis, Minnisota. É casada e formada em antropologia. A autora tem mais de vinte livros publicados. Ela escreve romances contemporâneos, divertidos sob o nome de Julia Harper. A trilogia Os Príncipes é a série mais vendida da escritora, sendo best-seller do New York Times, do USA Today e da Publishers Weely.


Classificação:

Até mais ver!



Confira as demais resenhas da trilogia clicando nos títulos abaixo:
3. O Príncipe Serpente.

2 comentários :

  1. Olá!

    As capas dessa trilogia são lindas, mas é uma história que não me chama a atenção. Adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  2. Oi Cris!
    Estou louca por esse livro! Ele tem tudo que a moto o, uma capa magnífica, um romance cheio de farpas e vestidos bufantes, como não amar? Esta na lista de desejados e espero adquirir na próxima promoção. Amei sua resenha, só aumentou minhas lombriga kkkkk

    Beijokas

    ResponderExcluir

Agradecemos por comentar! ^_^



TOPO